Fernando Pessoa

“(…) Outra vez te revejo,
Sombra que passa atraves de sombras, e brilha
Um momento a uma luz funebre desconhecida,
E entra na noite como um rastro de barco se perde
Na agua que deixa de se ouvir…

Outra vez te revejo,
Mas, ai, a mim nao me revejo!
Partiu-se o espelho magico em que me revia identico e em cada fragmento fatidico vejo so um bocado de mim –
Um bocado de ti e de mim!…”

Engraçada essa sincronicidade de textos, livros, músicas e até pessoas..
Engraçada a sincronicidade da vida..

F. Pessoa foi dica do meu amigo Farah..

Outros textos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.