Dois sentidos, uma palavra

um rio de palavras da mesma cor
pode ascender uma vela ou congelar os seus pés,
quando a corrente passar e formar sua imagem ao redor,
unicamente em cada parte de segundo, e nunca mais a mesma desde então,

seja então o rio que passa, ou seja a água que ficou,
eu sou o que segue em frente,
e nossos encontros são levados até o infinito, sempre somados,
sempre mesmo que deixados para trás,

cada vida que passa ficou um pouco em mim, de mim nelas,
se o caminho não está no olhar, estará em cada sentimento,
algumas pessoas vivem incompletas, outras por completar e contemplar
a felicidade da mágica de transferir este bem,
recebido por alguém, entregue a quem seja,
nem sempre controlado,
nem sempre compreendido,
dois sentidos, uma palavra,
nunca batem da mesma forma em duas vírgulas, ressoam em dois ouvidos,
aquecem as lágrimas ou esfriam as risadas.
São as diferentes idéias nos mesmos tons,
a criar uma melodia de ventos e tempestades,
num lindo final de tarde,
uma só voz e diferentes canções,
diferentes histórias, um só caminho

Outros textos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.